Review | Red Band Society (primeiras impressões)

quinta-feira, outubro 02, 2014 Hell F. 8 Comentários

Nhay, gente! ;)
Outra semana manola está quase no fim e a bonita chegou chegando e cortando setembro/outubro pela metade <3
Começaremos a nossa quinta-feira com a resenha de uma série que me cativou logo no piloto: Red Band Society (um remake do drama espanhol  "Polseres Vermelles"), que estreiou este mês no canal Fox. E já adianto: vale a pena acrescentar à sua watchlist.
 
Divulgação: Google Imagens

Se está pensando que é mais uma trama teen repleta de clichês, te garanto que vai bem além. Apesar do layout modernão, com fontes coloridas apresentando os personagens e a trilha sonora da moda, é um seriado feito para toda a família, do vovô ao filhão, e do rebelde ao emotivo. Além do mais, o clima de drama hospitalar é quebrado de maneira interessante entre cenas levemente engraçadas e claro, um pouquinho do velho romance adolescente para agitar os coraçõezinhos telespectadores.
Nós, maníacos por série, sabemos o quanto é improvável adivinhar o sucesso de uma nos baseando somente em sua audiência ou na qualidade dos primeiros episódios. Mas não é o acontece com Red Band Society (em tradução livre, "sociedade das pulseiras/faixas vermelhas"). De cara é visível como tem futuro. Só assisti a dois episódios disponíveis até agora, mas assumo que já estou ansiosa pelo terceiro. E outra, logo na estreia eu tive certeza de que acompanharei até a reta final. 
Ok ok, parei com a empolgação e focarei a resenha no piloto:
 
"Sua alma é você, e ninguém nunca poderá mexer nela."
 
Divulgação: Google Imagens
RBS nos apresenta a improvável amizade entre jovens completamente diferentes que são obrigados a conviver sob circunstâncias difíceis, afinal todos estão internados no hospital enquanto se tratam de seus problemas de saúde.
 
No clã principal temos Emma, a nerd anoréxica; Leo e Jordi, respectivamente um ex-atleta e um mexicano que atravessou a fronteira em busca de cura, ambos com câncer na perna; Kara, a líder de torcida cardíaca e cruel, e Dash, o piadista da turma com insuficiência pulmonar. Ah, e não poderia esquecer do protagonista ~ que rouba a cena de maneira singular: Charlie, um pré-adolescente em coma cujo espírito vaga pelas alas do hospital sabendo de tudo que acontece por lá. Esse é o fator determinante que prioriza a importância do menino: apesar de não aparecer tanto quanto os outros, é o narrador da história que nos põe a par sobre os sentimentos dos demais.

Divulgação: Google Imagens
Para completar o excelente time, temos a enfermeira durona (vivida pela MARAVILHOSA Octavia Spencer ~ ela mesma, do "The Help"), o médico oncologista, a inocente enfermeira novata, um músico voluntário, um hiponga hipocondríaco e o auxiliar hospitalar do babadon. o/

"Sorte não é conseguir o que você quer.
É sobreviver ao que você não quer."
  
A interação do elenco é tão afiada que logo no piloto chega a ser inacreditável. Não passa aquela impressão de primeiro episódio tentando acelerar logo a história para cativar o público, sabe? Ao contrário, apesar da dinâmica ser rápida o suficiente para exibir as peculiaridades de cada um, não atropela o enredo nem deixa aquela sensação de lacuna a ser preenchida com o decorrer do tempo ~ o que comumente acontece com a maioria das séries em seus primeiros capítulos. Achei o episódio estreante excelente, bem conduzido e com altos e baixos estrategicamente pensados ao tentar nos fazer sorrir ou emocionar.
Particularmente fico encantada com dramédia, sério. Por que? Porque é algo extremamente delicado e árduo de se conseguir, não é só jogar sarcasmo e ironia para dar o toque cômico (como House faz), não é só sobrecarregar os dilemas dos personagens e jogar uma piadinha no meio, e RBS conquistou o mérito de produzir um roteiro de dramédia de maneira bem dosada.

Agora vamos ao detalhe chato da parada: não tem como fugir das cenas previsíveis, né? Afinal, está explícito o jeitinho americano da lição de vida para nos dar o toque de que certos personagens mudarão de personalidade ao passar por essa fase de aprendizagem. Mas poxa, parando para pensar, não é ruim que uma passagem lugar-comum ou outra seja introduzida na série, afinal se trata de jovens e suas descobertas. Então ignore algumas partes clichês, elas tem que existir para a história seguir seu ritmo (e detalhe: são poucas).
Divulgação: Google Imagens

Se não acreditam no meu gosto pessoal tudo bem, então só me resta deixar a dica de que a série é produzida por ninguém menos que Steven Spielberg. E agora, é ou não é uma aposta quase sem risco? HAHA ;)
"Todos pensam que quando se vai para o hospital, a vida para. Mas é o oposto. A vida começa".
E aí, alguém já conferiu? Ficou curioso? Eu já recomendo e continuarei acompanhando, caso mude de opinião volto com o rabinho entre as pernas para contar, ok? Beijo Brazel ;*  
  
Hell (bat0mcomalcool)

AUTOR

Hell (bat0mcomalcool). Vulgo Hell {Ellen F.}. Ex-punk, fumante inveterada, colorida e rabiscada. Geminiana em dobro. Filha de Xoroquê e neta da Grande Mãe. Adotou o deboche como filosofia de vida e aceita a decadência como eterna companhia. Viciada em História, política, poesia, cultura vintage, seriados, literatura e The Sims.

8 comentários:

  1. Iuuupeee \o/ Não sabia dessa ai não...adoro acompanhar as séries desde o inicio ^^

    Como agora eu só estou acompanhando 2 séries, vou assistir essa ai (Adoro séries hospitalares)

    ResponderExcluir
  2. Que legal, Hell...nunca tinha ouvido falar
    Eu gosto da ironia de house kkkkk

    beiji

    ResponderExcluir
  3. que legal hell adoro novas series ainda mais de hospital kkkk sou dessas que nao esquecem plantao medico nem lascando *----*

    adorei vou procurar pra baixar hoje mesmo <333

    ResponderExcluir
  4. Não tinha ouvido falar dessa série ainda, achei bem bacana teu texto, vou dar uma chance e assistir o primeiro ep assim que terminar Hannibal - que está ótima, por sinal. Eu gosto de séries que retratem adolescentes, pena que a maioria realmente peca pelos clichês e por traminhas bobas. E eu gosto de ~dramédia~ também, é algo que me atrai. Tu já viu Finding Carter? É nessa vibe também, bem legal.
    Beijo, Bruna S. ♥
    Chanel Fake Blog

    ResponderExcluir
  5. Tbm gostei do piloto lálálá to encantada com o Leo e a Emma, tenho certeza que a importancia dos papeis deles vai crescer muito e o charlie e uma gracinha ♥

    bjo Hell

    ResponderExcluir
  6. Que bonitinho, nao gosto muito de historinha juvenil nao SALVO EXCEÇÕES kkk mas curti a sinopse <3333

    ResponderExcluir
  7. eu nunca ouvir falar, mas também não gosto muito de serie, mais essa fiquei bem curiosa, seu blog é uma graça *--------------* adoreei ♥♥

    ResponderExcluir
  8. Amo séries, agora estou na quarta temporada de Teen Wolf, e como está acabando preciso de uma série nova para assistir! E quem sabe eu não veja essa, por que parece ser bem legal *--* Vou procurar.

    http://agindodiferente.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

 Espaço livre para sugestões, críticas e elogios;
 Você pode comentar como anônimo ou utilizando seu nome/URL, conta do Gmail ou Wordpress;
 Sua opinião é bem-vinda, contanto que não seja homofóbica ou racista. Agradecemos :)